quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Funerária corta pernas de morto

Uma juíza da Carolina do Sul ordenou o fechamento de uma funerária que amputou as pernas de um homem para que coubesse no caixão, informa o diário local The State. No julgamento, o proprietário da funerária, Michael Cave, admitiu que um de seus empregados cortou na altura da panturrilha as pernas de James Hines, que media 2 metros, sem comunicar a família.

Segundo Cave, o funcionário da funerária pretendia "economizar mais sofrimento aos parentes". O caso se tornou público há um ano, quando um ex-funcionário da funerária contou a verdade à viúva de Hines.

No mês passado, o comitê de funerárias do estado resolveu retirar o direito de funcionamento da empresa de Cave, situada na localidade de Allendale. Na audiência de hoje, Cave pediu à juíza que não apoiasse essa decisão, ao alegar que nunca soube que um de seus funcionários tinha usado o serrote, e assegurou que a funerária desempenhou seu trabalho sem problemas nos quatro anos após o incidente.

Fonte: Jornal do Brasil

terça-feira, 11 de junho de 2013

Plano funerário: como criar meta de vendas


A venda de planos funerários é um investimento e o retorno não acontece da noite pro dia. Levam meses. É preciso ter isso em mente para não criar metas irreais que vão apenas desmotivar os vendedores: eles nunca conseguirão atingi-las.

Às vezes o vendedor pode até conseguir atingir uma meta irreal, mas como consequência o resultado para empresa será péssimo pois os clientes por não terem um processo de venda adequado não serão fiéis e vão deixar a empresa em pouco tempo. Prejuízo na certa.

Como é possível então encontrar aquela meta ousada mas realista? Pra encontrá-la precisaremos analisar o cenário ideal e o real da empresa.

Cenário ideal

Pra começarmos podemos partir do principio básico: todo investimento precisa de retorno. No nosso caso, um retorno razoável seria de 10% sobre o capital investido. Isso significa que a cada R$ 10.000,00 investidos na venda de planos você terá de retorno R$ 1.000,00.

Peguemos como exemplo o investimento em um vendedor que custa R$ 1.200,00 por mês. Suponhamos que cada associado do seu plano te dê um lucro em média de R$ 10,00. Para que esse vendedor te dê 10% de retorno sobre o capital ele precisa vender mensalmente 12 planos. Assim, ganhando R$ 10,00 em cada plano você terá R$ 120,00/mês.

Veja bem: foi investido R$ 1.200,00 para se conseguir R$ 120,00/mês. Serão precisos 10 meses pra você recuperar o dinheiro que investiu. Isso significa que se o associado desistir do plano antes desse tempo você toma prejuízo.

As empresas de médio porte que conheci, aquelas com mais de mil contratos, geralmente conseguem uma retenção média dos associados de 30 meses. Se você conseguir isso também significa que a cada R$ 1.200,00 investido você terá R$ 3.600,00 para receber nos próximos 30 meses. Isso é bom ou ruim? Vamos calcular.

R$ 3.600,00 menos o capital que você investiu sobram R$ 2.400, certo? Quer dizer que em 30 meses você terá um retorno real de 240% sobre o capital investido, uma média de 8% ao mês. Esse valor é muito melhor que investir na poupança, ações e fundos de investimento.

Pra você ter mais clareza: o investidor mais bem-sucedido de todos os tempos, Warren Buffet, faz em média 12% de retorno por ano. Se você conseguir 8% ao mês poderá tranquilamente dar aulas a ele (Risos).

Cenário real

Muito bem, conseguimos achar uma meta pensando apenas no cenário ideal. Agora precisamos avaliar se nossas idéias vão se encaixar na engrenagem do mercado. No mercado tem concorrentes, tem inadimplentes, e outras variáveis que não controlamos.

Não adianta filosofarmos sobre o que encontraremos ai no seu mercado. O único jeito de descobrir é testando. Você já descobriu qual a meta necessária pro seu negócio ficar legal, então coloque pra funcionar e fique atentato ao seguinte:

1. Meus novos associados estão entusiasmados com o plano, estão satisfeitos? É preciso para que a retenção seja alta, durando os 30 meses necessários para o retorno real de 8%.

2. O meu plano é competitivo em relação à concorrência? É necessário para que isso não seja um impedimento às vendas.

Se a resposta pra essas duas perguntas forem sim, você está no caminho certo.

Ajustando as metas

Se a resposta pras duas perguntas forem positivas mas os seus vendedores não conseguirem alcançar a meta, significa que existe algum problema na abordagem deles. Converse com eles pra descobrir e se preciso faça algumas visitas junto com a equipe.

Caso seus vendedores possuam metas acima de 15 contratos ou o seu lucro está pequeno demais ou você quer um retorno muito rápido. Você pode até tentar continuar com elas, mas é bem provável que seu plano terá problemas pra se tornar rentável.

Caso estejam conseguindo as metas com facilidade e a resposta das duas perguntas continuem positivas, aumente a meta a cada trimestre até você sentir que eles precisam suar um pouquinho pra alcançá-la. Seja cauteloso pois esse cenário é raro.

Espero que essas dicas possam ajudá-lo a criar um negócio sustentável. Participe deixando sua dúvida ou sugestão!







terça-feira, 30 de abril de 2013

Plano funerário: Indicador de sucesso

Sempre me causou pertubação o fato dos diretores funerários em sua maioria não terem um relatório que analise o desempenho dos planos assistenciais com clareza. A maior parte analisa apenas o crescimento do número de associados, o que transmite uma ideia falsa sobre sucesso.

Imagine o seguinte cenário: você visita seu amigo João e descobre que os vendedores dele vendem duas vezes mais que os seus. Por exemplo, cada vendedor dele vende 20 contratos mensais, e os seus só vendem 10.

Muito bem, você chega na sua empresa, quebra o pau e aumenta a meta dos seus vendedores, caso contrário serão demitidos. Eles saem doidos por ai, vendendo pra qualquer um que saiba assinar o nome. Todos cumprem as metas e você fica feliz com sua capacidade mágica de dobrar as vendas.

O problema é que esses contratos vendidos não passam por analise. Por exemplo, daqueles que foram vendidos há 3 meses quantos realmente estão contribuindo mensalmente para o sucesso da empresa e pagaram em dia? Pra saber isso é preciso monitorar as vendas, uma coisa complicada. Por isso quase nenhum diretor sabe me dizer.

Com o passar do tempo você vai começar a cobrir sepultamentos de associados que após o serviço não vão mais pagar o plano. Isso vai acontecer com mais frequência  e quando você pegar as promissórias e levar na justiça vai descobrir que esses associados não tem as condições legais mínimas pra te pagar.

Resumindo: você dobrou as vendas mas seu plano não cresceu. Já passei por empresas onde os donos estavam felizes com o crescimento do plano o ano todo, mas quando  puxei um relatório dos clientes pagantes concluímos que o crescimento real foi de 0,05%. Frustrante.


Pra resolver esse problema de avaliação criei um indicador que fica na página inicial da Sibuna bem grande pra todos os usuários que possuem acesso aos contratos visualizar. Esse indicador mostrar o número de contratos da empresa que estão pagando em dia nos últimos 3 meses, considerando uma margem de 15 dias de atraso em cada mensalidade.

Se você usasse nosso sistema quando aumentou as metas dos vendedores, após 3 meses notaria que o plano cresceu muito pouco, apesar das vendas terem dobrado. Isso porque os vendedores vendem muito mas vendem sem critério.


Hoje ai na sua empresa vocês acreditam na mágica de vendas do João ou possuem um indicador confiável que analise a qualidade das vendas? Vale a pena pensar nisso =)





quinta-feira, 25 de abril de 2013

Passo-a-passo para implantação: sistema para funerária

Após ler nosso Guia do Iniciante, fica mais fácil realizar esse passo-a-passo, por isso se ainda não o fez, faça. É rapidinho.

Para gerenciar os planos assistenciais

1. Cadastre os planos
2. Cadastre cada contrato
2.1 Inclua os dependentes
2.2 Quite todas as mensalidades que já foram recebidas
2.3 Registre falecidos que houve durante a vigência do contrato
2.4 Cadastre aluguéis de equipamentos se houver

Para maior controle dos recebimentos é possível implantar a impressora não-fiscal BEMATECH MP-20 MI. Esse procedimento é indicado em empresas com grande movimentação de clientes e serve para agilizar o atendimento e evitar que funcionários fiquem com o dinheiro em bolso, quitando a mensalidade dias depois de recebê-la.

Se houver interesse em implantá-la fale com o suporte.
Impressora BEMATECH



Gestão financeira

Repare que o saldo do Controle de Caixa ficou errado, uma vez que várias mensalidades já recebidas foram quitadas. Para resolvermos isso após o cadastro de TODOS contratos, lance uma despesa no mesmo valor do saldo. Você pode chamá-la de "Acerto de Caixa".

Depois basta fechar o caixa para que o próximo movimento comece com valor R$ 0,00.
O próximo passo é lançar duas receitas: uma com o valor que você tem no caixa em dinheiro, e outra com o valor que possui em cheque. Ai o saldo do Controle de Caixa vai ficar certinho.

Em "Lançar despesa", cadastre as despesas que serão fixas para não precisar lançá-las todo mês.

Exemplo: cadastrando lançamento automático de salário


Gestão de Estoque

1. Cadastre os fornecedores
2. Cadastre os produtos
2.1 Para cada um deles, cadastre o preço de vendas e custo no subcomponente "Configurar valores"
3. Acesse o componente "Atualizar estoque" e digite a quantidade de cada produto que existe em estoque
4. Toda vez que houver compras, cadastre-as no componente "Compras"
4.1 Lance as compras de flores somente se você deseja utilizar o componente "Controle de Serviços", descrito em detalhes no próximo tópico.
5. Toda vez que houver vendas, lance-as no sistema imediatamente em "Vendas" para impressão do recibo para o cliente e saída automática do estoque dos produtos vendidos.

Fazendo isso você terá o controle de estoque através do relatório "Inventário do Estoque", onde uma lista com a quantia de cada produto é exibida. Basta imprimi-la e fazer a conferencia com a frequência desejada, pode ser uma vez por semana ou por mês, por exemplo.

Exemplo do relatório Inventário do Estoque


Gestão de Serviços

1. Cadastre os serviços vendidos, como ornamentação de urna e criação de coroas.
1.1 Se o serviço for de terceiro, ou seja, prestado por outra empresa, marque o campo "terceiro" como "sim".

Controle de produção das coroas

Para saber através do sistema quantas coroas é possível produzir com a quantidade de flores que existe em estoque, é preciso manter o controle de produção de coroas através do componente "Controle de Serviços".

Se você deseja essa informação, precisaremos primeiro carregar esse componente que por padrão fica desabilitado. Após entrar no sistema, acesse o link "Configurar conta", carregue-o e dê permissão para os cargos que vão utilizá-lo.

Os gastos com flores de todas coroas produzidas agora deverão ser lançados nele. O sistema pega essas informações cadastradas, analisa e descobre quantas coroas é possível produzir com as flores que ainda estão no estoque.

Exemplo de controle da produção de coroas

Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário e entraremos em contato!




sábado, 20 de abril de 2013

Guia rápido do iniciante: sistema para funerária

A Sibuna foi projetada pra que sua utilização seja intuitiva e dispense treinamento. Esse guia tem como finalidade apenas esclarecer alguns detalhes e servir para consultas rápidas.



Menu de navegação

Após entrar no sistema você tem a disposição na lateral esquerda o Menu de Navegação. Ele é responsável por categorizar e facilitar o acesso aos componentes que compõem o sistema.

Por exemplo, ao clicar na opção "Estoque", ele vai trazer pra você todos os componentes desse setor, como compras, vendas, fornecedores, produtos, e outras. Através dele é possível localizar rapidamente os componentes e manter as informações atualizadas sem complicação.

O menu de Navegação circulado em vermelho

Iniciar

Ele é o ponto de partida do sistema, e tem como missão facilitar o acesso às principais tarefas que são realizadas no sistema, além de manter o usuário informado sobre os últimos acontecimentos da empresa, como vendas realizadas, crescimento dos planos assistenciais, etc.

Esse foco na informação ajuda os colaboradores a serem proativos ao tomar consciência dos fatos com maior frequência  Por exemplo, se todo dia a pessoa acessa o sistema e vê que o crescimento dos planos tem sido pequeno, vai incentivá-la a tomar decisões.

Atalhos e informações no Iniciar

Gerenciar os planos assistenciais

Cadastrando os planos

É muito simples, basta você acessar o componente "Planos", que fica localizado na opção "Planos assistenciais" do Menu de Navegação.

Aqui vale ter atenção no campo "Valor dinâmico", esse campo é referente a atualização de valores no decorrer do contrato. Marque "Sim" caso você atualize o valor das mensalidades do associado para ajustá-lo a algum cenário, como aumento da inflação.

Assim, quando você mudar o valor do plano, automaticamente todos contratos cadastrados terão o valor da mensalidade atualizado também.

Cadastro de Planos

Gestão de contratos

Agora que você ja tem os planos cadastrados, acesse o componente "Contratos" para poder cadastrá-los.
Segue uma imagem do componente "Contratos", observe vários subcomponentes organizados na parte superior.

Componente Contratos, com vários subcomponentes na parte superior


Após realizar o cadastro de um contrato você ganha permissão para acessar esses subcomponentes, eles são os responsáveis pela gestão das mensalidades recebidas, os descontos liberados, alugueis de equipamentos, renovação de contratos, etc. Você faz praticamente tudo através deles.

Basta você clicar encima do contrato cadastrado e em seguida clicar no subcomponente que ele vai carregar as informações do associado pra você.

Para ajudá-lo a localizar os contratos existem várias opções de busca, entre elas por número do contrato, CPF, RG, dependente, e nome do titular.

Emissão de carnês

Existem dois tipos de carnês que podem ser utilizados: o simples e o bancário. Eles podem ser emitidos através do componente "Emissão de Carnês", também localizado na opção "Planos assistenciais".

O carnê bancário possibilita aos associados o pagamento nas casas lotéricas, bancos e correios e gera vários beneficios para o plano. Entretanto, antes de liberar a emissão desse tipo de carnê o sistema precisa de informações que são fornecidas pelo seu banco, são elas: agência, conta, carteira, e número do convênio.

Já o carnê simples não possui requisitos e pode ser emitido a qualquer hora, sendo que os associados só podem efetuar o pagamento indo até a sua empresa.

Devido ao alto custo com recarga de cartucho e pouca durabilidade do papel A4, optamos por não incluir no sistema a impressão da capa do carnê. Essa capa deve ser encomendada diretamente de uma gráfica e um papel mais resistente deve ser utilizado.



Emissão de carteirinhas

Basta acessar o componente "Emissão de carteirinhas" que ele vai te dar a opção de imprimir uma quantas carteirinhas forem necessárias. Além disso você pode escolher a carteirinha entre as cores: verde, azul, azul claro, amarelo, cinza, rosa, e vermelho.

É possível também configurar sua logomarca pra aparecer no lugar do nome do plano.

Exemplo de carteirinha emitida em meu nome

Após impressa, basta dobrar o papel para dar mais resistência e colocá-la no porta documentos.


Gestão de estoque

Através da opção "Estoque" no Menu de Navegação é possível lançar compras, vendas, cadastrar fornecedores e produtos. A qualquer hora é possível acessar o inventário pra saber exatamente quanto de cada produto precisa existir no estoque e identificar extravios ou outras perdas.

Empresas de médio porte podem requisitar ao suporte a habilitação dos componentes de Lote Economico de Compras (LEC) para facilitar ainda mais a tomara de decisão, ficando esses componentes responsáveis por calcular quando, quanto, e a melhor forma de pagamento das compras.

Relatório de inventário de estoque


Gestão financeira

Nosso Controle de Caixa é integrado com o estoque e planos assistenciais, assim todas operações realizadas nesses módulos são lançadas no Controle de Caixa automaticamente.

Resta apenas cadastrar as despesas fixas e lançar as despesas variáveis para manter o controle. Ele funciona exatamente como um controle de caixa desses que se compra na papelaria, possibilitando fechar o caixa, realizar buscas, verificar saldos, etc.

A integração dele com o estoque garante que para cada produto que for retirado do estoque, o valor dele será lançado no caixa. Ou seja, não tem como os produtos sumirem sem o gestor perceber, auxiliando muito a gestão do estoque.

Nosso Controle de Caixa



Gestão dos transportes

Não é raro o agente funerário subestimar os quilômetros que ele vai percorrer para fazer um atendimento. Por isso, integramos a Sibuna com os satélites do Google para calcular automaticamente a distancia que será percorrida e gerar automaticamente o valor a ser cobrado do cliente.

Algumas vezes é possível pegar atalhos pra chegar no caminho mais rápido, coisas que a plataforma do Google não sabe, mas geralmente os cálculos são precisos. Também é possível lançar no componente "Pasta diária" outras operações de transporte, como transporte para IML.

Mantendo o uso diário dos veículos registrados no sistema garante que não vai haver gasto desnecessário de combustível, uma vez que se houver facilmente será identificado nos relatórios de analise de transporte.

Além disso, esse módulo também possibilita calcular o custo do quilometro rodado de cada veículo considerando uma série de variáveis, muito útil pois a maior parte das funerárias não cobram o valor correto e acabam tendo problemas.

Gastos indevidos são facilmente identificados, bem como falhas em estimativas



Integrar vários escritórios

Através do componente Escritórios localizado na opção "Outros" do Menu de Navegação é possível cadastrar quantos escritórios forem necessários. Além disso, nessa opção também é possível cadastrar os funcionários de cada escritório, gerando uma senha e usuário de acesso para aqueles que precisam usar o sistema.

Suporte

Nosso suporte funciona pelo telefone 31-38414657, email: atendimento@sibuna.com.br e por chat através da plataforma.

Se tiver dúvidas não hesite em falar com a gente =)
Abraço!


segunda-feira, 25 de março de 2013

Fluxo de Caixa: seus benefícios e negligencia dos diretores funerários

O Fluxo de Caixa possui três missões dentro da empresa: organizar, controlar e planejar. A maior parte dos diretores funerários negligenciam o planejamento e deixam de ter o melhor beneficio da ferramenta.

Organizar

Às vezes o dinheiro some e a gente não sabe pra onde foi. Com tantos impostos e despesas que surgem subitamente, temos até impressão de que fomos roubados. O fluxo de caixa nos ajuda a registrar as operações do dia-a-dia e a saber o que aconteceu com o dinheiro.

Não que ele diminua nossas contas a pagar - quem dera - mas ele possibilita rastrear os gastos com despesas e os recebimentos dos clientes. Através da analise dos lançamentos realizados é possível descobrir qual o saldo atual do caixa, ou seja, quanto de dinheiro você deveria ter disponível.

Além disso você passa também a ter maior noção de como gasta o dinheiro e essa consciência pode te ajudar a gerenciar melhor o uso dos recursos.

Exemplo de Fluxo de Caixa que ajuda a organizar


Controlar

Quando você é o dono da empresa e você mesmo faz os lançamentos no Fluxo de Caixa, quase sempre não precisa que esses lançamentos sejam conferidos, uma vez que não existe risco de confiança.

Entretanto, caso seja outra pessoa a fazer os lançamentos, é preciso periodicamente fazer a conferencia de cada um deles, verificando se o valor lançado no fluxo é realmente o valor dos comprovantes. É justamente a operação de conferencia que garante o controle nesses casos. Isso precisa ser feito nas filiais ou na própria matriz caso exista risco de confiança.

Após essa conferencia é descoberto o saldo de fechamento do caixa, e o ciclo novamente é iniciado. Toda vez que um novo caixa é aberto o saldo de abertura é justamente o saldo de fechamento do caixa anterior.

Fazendo isso periodicamente você garante que o dinheiro está sendo cuidado com toda sensibilidade merecida.

Planejar

Utilizar o fluxo de caixa como ferramenta de planejamento é você conseguir visualizar com antecedência onde haverá quebra ou sobra de caixa. Assim é possível se antecipar aos acontecimentos e evitar surpresas.

Fazer isso com fluxo de caixas manuais é praticamente inviável devido à grande dificuldade de manter atualizado os registros, por isso aconselho o uso de sistemas de gestão construídos para essa finalidade.  Eles te possibilitam configurar lançamentos futuros como o décimo terceiro e visualizar o fluxo de receitas e despesas futuras.

Se houverem sobras de caixa você pode pensar em investimentos e expansões. Caso contrário, considere renegociar contas a pagar, antecipar os recebíveis ou conseguir empréstimo.

Nesse exemplo é possível visualizar com antecedência grande necessidade de capital no mês 2.
Conclusão

Como pode-se observar, a gestão completa do Fluxo de Caixa é trabalhosa, mas os benefícios são claros. Caso você ainda não tenha conseguido implementar a gestão completa, ou perde muito tempo fazendo isso, considere conhecer a Sibuna. Ela foi planejada pra facilitar o seu dia.


domingo, 17 de março de 2013

Carros funerários: 6 passos para descobrir o valor real do quilometro rodado

Manter os veículos bem conservados são essenciais para atender os clientes com qualidade. Entretanto é  muito comum diretores funerários não calcularem corretamente os custos envolvidos nos transportes. O resultado a longo prazo são frotas mal conservadas que deixam muito a desejar no atendimento.

Depois que isso ocorre a única solução é conseguir empréstimos ou descapitalizar para fazer essa renovação. Mas essa é uma situação que devemos evitar sempre, por isso nesse texto você vai aprender como planejar melhor a renovação da sua frota.

1. Descubra a média de quilômetros vendidos por mês

Como exemplo para o calculo vou utilizar 1.500 quilômetros.

2. Calcule a depreciação

Depreciação é a perda de valor do seu bem, nesse caso os veículos. Suponhamos que foi comprado uma Ducato no valor de R$ 70.000,00 hoje. Ela vai atender o seu negócio por 5 anos. Durante esse tempo quanto ela vai depreciar, ou melhor dizendo, quanto ela vai perder de valor?

 Para pegar a depreciação correta dos seus veículos acesse a tabela completa.
Vou usar uma taxa de depreciação de 20% ao ano.  Fica assim:

Após 1 ano de uso   - R$ 70.000,00 - 20% = R$ 56.000,00
Após 2 anos de uso - R$ 56.000,00 - 20% = R$ 44.800,00
Após 3 anos de uso - R$ 44.800,00 - 20% = R$ 35.840,00
Após 4 anos de uso - R$ 35.840,00 - 20% = R$ 28.672,00
Após 5 anos de uso - R$ 28.672,00 - 20% = R$ 22.937,6

Então descobrimos que daqui a 5 anos quando quisermos trocar essa ducato por um novo veículo para atender melhor os clientes, conseguiremos vendê-la por apenas R$ 22.937. Houve uma depreciação de R$ 47.063,00.

 Essa perda de valor precisa ser repassada aos clientes pra que daqui a cinco anos você tenha recuperado essa quantia e possa adquirir um novo veiculo sem empréstimos. O calculo para repasse da depreciação aos clientes fica assim:

Primeiro somamos toda a depreciação dos 5 anos. Nesse caso será R$ 47.063,00.
Dividimos esse valor pelo número de meses do período para descobrirmos qual o custo mensal da depreciação. Vai ficar 5 anos x 12 meses = 60 meses.

Custo mensal de depreciação = (R$ 47.063,00 / 60) = R$ 784,38

Esse custo vai ser repassado a cada quilometro vendido, como exemplo 1.500 quilômetros por mês.

Custo de depreciação por quilometro rodado = (R$ 784,38 / 1.500) = R$ 0,52

Vale lembrar que o custo de depreciação por quilometro rodado deve ser feito somando a depreciação mensal de todos os veículos. Nesse exemplo utilizei apenas a Ducato.

A receita arrecadada após repassar esse custo aos clientes deverá ser aplicada na poupança.
No nosso caso em média R$ 700,00 ao mês.

3. Calcule a média de gastos com manutenção dos veículos

Pegue seu fluxo de caixa nos últimos 6 meses e descubra quanto você gastou com manutenção dos veículos para fazer uma média mensal. Vou usar como exemplo R$ 150,00 por mês.

Custo de manutenção por quilometro rodado = (R$ 150,00 / 1.500) = R$ 0,10

4. Calcule a margem de erro nas estimativas

Veja se a média de gastos com combustível para transporte de clientes está dentro do normal.  Pegue os valores gastos dos últimos 3 meses e faça a média, por exemplo:

Janeiro = R$ 470,00
Fevereiro = R$ 420,00
Março = R$ 510,00

Média = ( R$ 470 + R$ 420 + R$ 510 ) / 3 = R$ 466,66

Para rodar 1.500 quilômetros por mês, considerando que um litro de diesel está R$ 2,2 e a ducato faz 10 quilômetros por litro, deveríamos estar gastando apenas R$ 330,00. Por isso, temos uma margem de erro nas estimativas de R$ 136 em média.

Custo da margem de erro por quilometro rodado = (R$ 136 / 1500) = R$ 0,09

5. Calcule o gasto com o motorista

Quanto custa pro seu motorista rodar 1 quilometro? Para descobrir faça:

Salário + Impostos trabalhistas = R$ 1.600,00
Esse motorista dirige na média de um quilometro por minuto, ou 60 quilômetros por hora.

Considerando que a hora de trabalho dele custe (R$ 1.600,00 / 174) = R$ 9,19 o minuto de trabalho custa R$ 0,15.

Custo com motorista por quilometro = R$ 0,15

6. Calcule o custo do combustível por quilometro rodado

1 litro de diesel = 2,2
KM por litro = 10

Custo combustível por KM rodado = ( R$ 2,2  / 10) = R$ 0,22

Finalizando

Agora que já temos todos custos envolvidos na operação, basta somarmos.

Custo de depreciação por quilometro rodado = (R$ 784,38 / 1.500) = R$ 0,52
Custo de manutenção por quilometro rodado = (R$ 150,00 / 1.500) = R$ 0,10
Custo da margem de erro por quilometro rodado = (R$ 136 / 1500) = R$ 0,09
Custo com motorista por quilometro = R$ 0,15
Custo combustível por KM rodado = ( R$ 2,2  / 10) = R$ 0,22
-----------------------
Custo por KM rodado = R$ 1,08 por quilometro

Valor final do KM rodado = Custo por KM rodado + Margem de lucro
Valor final do KM rodado = R$ 1,08 + 15% = R$ 1,24

Através dos valores encontrados percebe-se que todo mês será arrecadado em média R$ 780,00 de depreciação. Esse valor deve ser aplicado na poupança.

Como facilitar o cálculo

Cada carro tem suas particularidades que precisam ser adaptadas no calculo, por isso fica muito difícil calcular em frotas com vários modelos de veículos.  Alguns sistemas funerários podem efetuar o calculo automaticamente pra você. Caso o seu não tenha esse recurso considere conhecer nosso sistema funerário.

Cálculo automático dos custos

Se você encontrou um valor diferente do que usa hoje, deixe um comentário com a diferença =)